19/12/2017

A arte da sobrevivência

Um dos maiores desafios que enfrentamos na vida é como devemos lidar com as
tragédias que nos acontecem. Precisamos entender que a vida tem, também, o seu lado
escuro. O grande problema é que nunca imaginamos que o infortúnio venha a bater à nossa
porta. Temos, ingenuamente, uma certa sensação de invulnerabilidade. Ocorre que não há
uma só pessoa sequer que não passe por experiências amargas e que, algum dia, não
atravesse desertos emocionais.
Essa sensação de invulnerabilidade é fruto, muitas vezes, de uma educação religiosa
superficial, que acaba criando em nós uma idéia distorcida sobre Deus. A fé não confere
imunidade ao sofrimento. Somos seres plenamente humanos, e não “parlamentares” da
existência. Por isso mesmo, a verdadeira arte de viver não consiste em fugir dos
sofrimentos da vida, mas, principalmente, no destino que vamos dar aos sofrimentos. Como
lidar com eles? E com os sentimentos que eles produzem em nós?
As maiores tragédias ocorrem dentro de nós e nunca fora de nós! Armazenar na
alma sentimentos e emoções destrutivas, face às circunstancias adversas que nos
circundam, em nada favorece o rumo das coisas. Antes, pelo contrário, fazem muito mal, na
medida em que transformam o coração num depósito de lixo emocional, cheio de
impurezas e resíduos tóxicos que asfixiam a alma, adoecem o corpo e aprisionam o espírito,
impedindo a vida de reencontrar a rota da esperança.
Eis aqui, então, duas atitudes positivas que podemos tomar diante das tragédias:
Primeiro: Não nos deixemos dominar pelos pensamentos negativos. O que nós
pensamos determina o que nós sentimos. Os nossos sentimentos formam os conteúdos da
nossa memória, ou seja, pensamentos negativos produzem sentimentos mesquinhos que,
por sua vez, alimentam na memória os aspectos negativos das experiências. A conseqüência
imediata disso é uma pessoa cheia de revolta no coração, sem vontade de viver e com a
alma prisioneira das lembranças trágicas. Torna-se um ser doente dentro de si. Prisioneiro
de si mesmo. Refém dos seus próprios pensamentos.
Em segundo lugar, podemos transformar as tragédias em sementes de vitória e de
profundas mudanças em nossa vida, quando, a partir delas, passamos a reavaliar nossa
existência, nossos valores, nossa família, nossa noção de tempo, nossa fé. Sentimentos bons
são revividos; a vida é repensada em seu todo e, no fim do túnel, surge uma luz de vida e a
possibilidade de sonhar outra vez. Por isso mesmo a Bíblia nos diz: “Todas as coisas
contribuem, conjuntamente, para o bem daqueles que amam a Deus” (Rom. 8.28).
É preciso, pois, aprender a lidar com trágico, com a dor imprevisível e com as perdas,
pois, quer queiramos ou não, a vida tem destas coisas. O importante é seguir vivendo, com
a força da fé e a bênção de Deus. Com Ele, aprendemos a sobreviver a cada dia.